Basta de violência contra a mulher!

Em 1899, com muita luta, a Dra. Myrthes de Campos foi a primeira advogada a atuar no Brasil, tendo se destacado no júri e aberto as portas da profissão para as mulheres de sua geração e de gerações futuras. Contudo, cento e vinte anos depois uma mulher está sendo agredida no exercício da profissão por ter assumido a defesa de um acusado de feminicídio. Confira o caso:

“ O feminicídio é a instância última de controle da mulher pelo homem: o controle da vida e da morte. Ele se expressa como afirmação irrestrita de posse, igualando a mulher a um objeto....” Comissão Parlamentar Mista de Inquérito sobre Violência contra a Mulher (Relatório Final, CPMI-VCM, 2013)

O direito de defesa e a ser submetido a um processo justo é fundamental em um Estado Democrático de Direito e o papel do advogado criminalista é essencial, seja atuando na defesa do acusado ou dos interesses da vitima. No caso noticiado, parecem muito graves os ataques à profissional, simplesmente por ser do sexo feminino, denotando um machismo inadmissível e, mais uma vez, uma violência à mulher que está sendo intimidada no exercício de sua prática profissional. Até quando essas formas de violência vão continuar? Nenhuma forma de violência contra a mulher deve ser tolerada. Nosso profundo respeito a Advogada e apoio irrestrito ao direito ao exercício de atividade profissional de livre escolha da mulher.